Combinação: 10+31 = o pensamento suicida.

Somos um espírito (eterno) que ocupa um corpo material, por um determinado período, para que possamos evoluir através das experiências que atraímos para nós. 

O propósito da vida é a EVOLUÇÃO. 

Não, meu caro leitor, não estamos neste planeta para sofrer, estamos aqui para APRENDER. É certo que alguns espíritos, mais evoluídos, nascem para ensinar e transmitir o conhecimento adquirido através das suas sucessivas reencarnações. Já outros espíritos, ainda involuídos, tem a oportunidade de aprender. 

A vida é dinâmica e dentro desse dinamismo podemos aprender preciosas lições, podemos nos melhorar como pessoas e profissionais. Podemos melhorar os nossos talentos e potenciais. 

Neste post quero abordar o "pensamento suicida". Acredite, ninguém quer morrer, a pessoa que alimenta o desejo de morrer, apenas quer parar de sofrer, por pensar que não vai aguentar as lições que escolheu aprender antes de nascer. Podemos auxiliar uma pessoa assim, mostrando o quanto ela é forte e que é capaz sim, de aprender e de superar as suas dificuldades. Podemos lembrá-la de que tudo na vida tem uma solução, podemos enfatizar que a fé sempre é o melhor escudo de proteção e que todos (sem exceção) possuem um anjo guardião que protege no cumprimento da missão que a pessoa escolheu viver. 

Abaixo transcrevo um trecho do livro que despertou a minha consciência. Recentemente reli o livro "A viagem de uma alma" do escritor Peter Richelieu, onde o mesmo foi publicado pela Editora Pensamento. Eu o li quando tinha apenas 12 anos de idade, hoje tenho 47. Este livro me marcou muito por ter me oferecido a compreensão da vida após a morte e da vida no plano astral. A partir dos 12 anos me interessei pelas questões espirituais. 

"Tirar a vida de si própria não é apenas um crime, mas um ato extremamente insensato. Não resolvemos nossas dificuldades fugindo delas. Isso apenas irá adiar-lhes a solução para uma vida futura. Alguém poderia argumentar que as circunstâncias que tem de enfrentar são motivos para o suicídio; contudo, essas circunstâncias foram julgadas necessárias para seu progresso na evolução, e ele terá que passar por elas, mas cedo ou mais tarde. Do mesmo modo pelo qual uma criança que falta à escola repetirá o ano escolar até que compreenda que, para se qualificar num nível superior, deve conseguir pelo menos um mínimo de média em todas as disciplinas, o homem que comete o suicídio tem de voltar ao mundo. Em sua próxima vida, uma série de circunstâncias se juntarão de novo, para formar os mesmos obstáculos e dificuldades de que desejou escapar. Deve, então enfrentá-las e dominá-las, pois, se fugir mais uma vez, estará apenas retardando sua própria evolução e, enquanto não fizer face a esses obstáculos, ultrapassando-os e aprendendo as lições que eles pretendem ensinar, esse homem nunca será capaz de dar mais um passo sequer no caminho que leva à perfeição. Habitualmente, ao gesto suicida segue-se um remorso extremo e, dentro de um espaço de tempo muito curto, depois de sua chegada no mundo astral, a maioria dos suicidas daria qualquer coisa para anular o ato impensado. Infelizmente eles não podem voltar, mas devem aguardar até que chegue a época de sua próxima encarnação. E não lhes deixam quaisquer dúvidas de que em sua próxima existência terão de enfrentar de novo as mesmas dificuldades...
...Sendo um suicida, ele não recebe o mesmo auxílio afetuoso dos ajudantes astrais...e sente profunda solidão que essas circunstâncias propiciam...
...Suicídio nunca é uma libertação, mas apenas um adiamento"


Escolhi abordar este tema, porque vez por outra chega, em minha mesa de leitura, um consulente com pensamentos suicidas. 

O CVV http://www.cvv.org.br/ (tel: 141) é um Centro de Valorização da Vida, seus colaboradores fazem um treinamento intensivo e são capacitados para dar apoio emocional e prevenção ao suicídio. Os atendimentos são gratuitos. 

Abaixo apresento o vídeo do André Trigueiro onde ele passa informações preciosas sobre o suicídio. Vale a pena assistir. 




Sei que estamos passando por um momento turbulento, parece que o mundo está de cabeça para baixo e que as pessoas estão desconectadas e perdidas. 

Sei que o cenário político brasileiro está caótico, mas você já parou para se perguntar o que você tem que aprender com tudo isso? 

E as perguntas mais importantes são: 
O que preciso conhecer em MIM?
O que posso fazer para ME melhorar? 
O que posso fazer para me relacionar melhor com as pessoas?
Como posso contribuir para melhorar ao meu redor?

Não tenha medo, não perca a esperança, não se desespere. Acredite que tudo na vida tem um PROPÓSITO e que tudo, por pior que seja, um dia passa. Tenha fé e busque a sua paz interna.