Carta 30 - Os lírios - A arte de ser leve


Acabo de ler o livro "A arte de ser leve" da autora Leila Ferreira (editora Principium), que a minha querida amiga Tatiana Land me deu de natal. 

O livro me inspirou a escrever o meu 1º post de 2013, por ser uma delícia de ler e, claro, é leve, muito leve. Fala da gentileza, dos bons modos, de manter o bom humor, dá dicas para descomplicar a vida, com menos peso...e mais leveza (carta 30-lírios).

Menciono entre aspas, alguns trechos do  livro que me chamaram a atenção.

"Nossos comportamentos vão deixando o mundo mais estressante". Esta frase me lembrou da carta 23 - os ratos. Nós costumamos perceber como os outros são estressantes, mas não reconhecemos em nós o desgaste que causamos  nos outros. É uma boa reflexão sobre o nosso comportamento e de como estamos nos relacionando em casa, no trabalho, como os amigos e com a natureza. É um convite a olhar para dentro, pois já olhamos demais para fora. E fica a pergunta: o que, em nós, estressa o outro?

"O vocabulário da delicadeza tem encolhido". Esta frase me remeteu a comunicação (carta 27). No meu trabalho de terapeuta e, de cartomante, concluo que o mal do século é a comunicação. Muitos não expressam o que verdadeiramente sentem, por terem medo de não serem compreendidos ou medo de serem criticados. É mais comum a crítica, a ofensa do que o elogio ou o reconhecimento de um trabalho bem feito ou, pelo menos, do esforço empregado naquele trabalho. Aprendemos a falar, a falar e não paramos de falar. Precisamos aprender a OUVIR, a dar espaço para o outro se expressar, sem que ele se sinta tolhido. Saber ouvir é um ato sublime de delicadeza, pois "escutar o que o outro diz, uma prática seriamente ameaçada de extinção".

"Os deprimidos, os ansiosos e os angustiados muitas vezes processam seu sofrimento interiormente - num esforço gigantesco para poupar quem está perto. O mal-humorado não: faz questão de apresentar ao outro a fatura de sua infelicidade. Quem está perto paga a conta - do que ele consumiu ou, mais frequentemente, deixou de consumir". Esta frase me fez pensar em duas cartas: nas 06-nuvens e na carta 25-anel. Quanta angustia, quanta ansiedade!! Ao ler As Cartas Ciganas, sempre olho a vela e  muitas das vezes a vela chora, para limpar o campo emocional do consulente. Quanta angustia e quanto sofrimento está contido nele. Quanta preocupação em poupar as suas relações. Já o mal-humorado não tem esta preocupação (ou delicadeza). Está sempre fazendo exigências, está sempre reclamando de tudo, nunca está satisfeito. E, sem se dar conta, coloca muito peso em suas relações. 

"Parar de dramatizar a vida é fazer um pacto com a  leveza, o que significa, além de administrar o otimismo e o pessimismo a nosso favor, aprender a rir, ou se dar mais chances de rir" Esta frase é a cara da carta 07-cobra, que também nos fala do veneno e da necessidade de defesa. Acredito que o pior veneno seja a auto-sabotagem. O medo paralisa diante dos caminhos abertos (carta 22), o medo produz o drama, daquele bem mexicano. Está mais do que na hora de aprendermos a rir como crianças (carta 13), flexíveis, descontraídas e....leves. Experimente fazer menos exigências. Experimente reclamar menos. E descubra os benefícios de ser uma pessoa leve, cujas pessoas tem o prazer em conviver. 

"Nosso ritmo interno é que precisa desacelerar" "estamos vivendo na era da raiva, graças à velocidade" "Estamos cada vez mais impacientes, porque não podemos perder tempo". Essas frases foram escritas para mim. A autora acertou em cheio e tocou diretamente na minha ferida. O que mais ouço das pessoas é: "Tânia, você está sempre correndo!" E vivo correndo mesmo, preciso confessar...Corro para arrumar a casa, atender o telefone para marcar as consultas, programar os cursos, as aulas e os eventos, ler e responder os e-mail (que são muitos), ler e responder as mensagens inbox do facebook (que são muitas), me inspirar para manter o blog e a Página As Cartas Ciganas do facebook interessantes para as pessoas que os seguem, ir no mercado, arrumar as compras, lavar a roupa, guardar a roupa, atender, dar aula....Sim, eu corro muito, confesso, visto a carapuça até os pés. Tempo (carta 12) é o que mais preciso, mas sempre dou conta de tudo. Minha meta para este ano de 2013 é desacelerar, mas para isso eu preciso me dar tempo e preciso ter fé de que vou conseguir.

"Esta família é uma árvore que plantei e venho adubando há três décadas" Esta frase me iluminou, que perfeição para traduzir a carta 05-árvore. Fiquei pensando se eu adubo a minha família como ela espera. E se a minha expectativa é alta sobre como a minha família deveria me adubar...esta frase continua reverberando em mim.

"Pessoas felizes vivem mais - não porque a felicidade cure, mas porque ajuda a prevenir doenças" Ai as flores (carta 09). Eu digo SIM a alegria. Eu digo SIM ao contentamento. Eu digo SIM ao prazer...de viver. Qual é o seu SIM?

"Existem pessoas que são assim. Parece que já nasceram com essa capacidade de carregar menos bagagem; de, sempre que possível, reduzir o peso das circunstâncias" É, realmente, algumas pessoas já nascem meio lírios (carta 30), pois conseguem levantar a bandeira da paz, sustentam o bom humor, se mantém positivas diante das dificuldades da vida. Para essas pessoas eu bato palmas de pé. E juro de pé junto, que sou um pouco assim, pelo menos tento ser.    

"É possível plantar as sementes dos lírios (carta 30) e é viável vê-lo florescer em nossa vida. É maravilhoso estarmos em paz e harmonia conosco e com o universo que nos cerca" Esta frase é de  minha autoria. E agradeço a minha inspiração (carta 16-estrela) por tê-la escrito...rsrs

Espero que o ano de 2013 seja leve e que LEVEZA (carta 30-lírios) se torne um mantra cada vez mais emanado e não somente entoado!!

Eu dedico esta post a Tatiana Land, pois sei que o ano de 2012 foi bem difícil para ela, mas ainda assim, escolheu o sorriso e o afeto. Sua delicadeza e sua leveza traduzem o que venho buscando. Muito obrigada.