Carta 16: A espiritualidade - Por Tânia Durão

"Espiritualidade significa estar em conexão com o Espírito, como a própria palavra diz.

Na prática, espiritualidade significa sermos guiados por algo que está acima do ego.
E estar no Espírito significa ser inspirado. Significa, antes de tudo, o contato com aquela parte dentro de você que está cheia de Luz!
Não falo de Espírito exterior. Falo do Espírito que anima a sua alma e que anima o seu corpo e que anima a sua vida!
Falo do Espírito que você Verdadeiramente É!" Por Tania Resende.


Somos um espírito que possui um corpo para vivenciar as experiências no planeta terra, com o propósito para evoluir. E para vivenciarmos as experiência, precisamos de três partes: 



05 = Corpo, 
04 = Mente,
31 = espírito. 

O ideal seria manter estas três partes em equilíbrio. As terapias holísticas (Reiki, cristais, florais...) e a prática do yoga proporcionam este equilíbrio, através da harmonização dos chacras. 

Às vezes a alma quer trilhar um caminho e a mente quer trilhar outro. Por exemplo, a alma quer ser cozinheira, porque adora preparar a comida e alimentar as pessoas, mas a mente acredita que o certo é ser engenheiro. A alma, por ter dons artísticos, quer ser um dançarino ou um pianista, mas a mente insiste em ser advogado. A alma ama a liberdade e adora viajar, mas a mente exige casar e ter filhos. A alma se programou e se comprometeu em ser um grande médico para curar vidas, mas a mente optou pelo vicio das drogas...

Quando a alma e a mente se desentendem, quem sofre com isso?? 
O corpo, é claro, através de doenças, depressões e acidentes.

No momento da consulta com um oráculo, é sempre o inconsciente (ou alma) do consulente quem sinaliza o melhor caminho a ser trilhado pelo próprio, embora ele possua o livre arbítrio para fazer escolhas (mentais) diferentes, inclusive de seguir em direção oposta. Resumindo, a função de um oráculo é revelar a alma do consulente, embora ele seja livre para não se render ao que sua alma está sinalizando, por ter o lado mental. Nosso trabalho de cartomante não nos dá o direito de impôr as nossas crenças, nem ditar regras. 

O sentido da vida (ou de cada encarnação) é a evolução, através das lições aprendidas nas experiências. Antes de encarnarmos assumimos o compromisso de aprendermos algumas lições, de nascermos em uma determinada família, de assimilarmos os valores de uma cultura específica, para que a alma possa resgatar assuntos pendentes e para se aprimorar mais e mais em seus próprios talentos...mas no meio do caminho...tudo pode mudar. 

É comum alguém comentar em um tom mais baixo, tipo segredo, que fulano é médium...
Vamos combinar? Todo ser humano é capaz de "perceber", logo todos nós somos médiuns (=sensitivos), o que diferencia é o grau e a intensidade da percepção e da sensibilidade. 
Já me perguntaram se eu tenho poderes....tive que rir com os "poderes"...sim, tenho o poder de perceber. Sim, tenho o poder de sentir. Sim, tenho o poder de estudar (e muito) para ampliar o meu entendimento. Mas não, não possuo nenhum outro poder...



Espiritualidade nada mais é do que PERCEPÇÃO e sensibilidade. Nada além disso. Já escrevi em outro post (Intelecto ou intuição), que percebemos o mundo através dos nossos 5 sentidos: visão, audição, tato, olfato e paladar. 

Quando desenvolvemos um sentido, ficamos com a percepção aguçada ou ampliada, por termos mais clareza no que está sendo percebido, por isso é importante confiar na própria percepção/Intuição.

Dá-se o nome de médium ou sensitivo ou sensível para as pessoas que desenvolveram a percepção.

Os clarividentes enxergam com clareza.
Os clariaudientes ouvem com clareza. 
Os cinestésicos sentem com clareza. Este é o meu caso em forma de arrepios, suor, bocejos e sensações.

Médium ou sensitivo quer dizer meio, médio, metade, mediador, intermediário. E mediunidade (prefiro sensitividade) significa a capacidade natural do ser humano em permitir, através da percepção, uma comunicação entre ele, o homem e o espírito (que já foi um homem encarnado). 

Em outras palavras, o sensitivo faz o papel de intercâmbio entre o mundo material/físico e o mundo espiritual/energético. Isso acontece independentemente de religião. A mediunidade/sensitividade é a ponte de comunicação entre duas dimensões. 

Há outras formas de sensibilidade e percepção. Quando um amigo espiritual quer se comunicar com o sensitivo, ele pode usar vários recursos, tais como:



A Psicografia (escrita mediúnica) é o mecanismo pelo qual as mensagens, os textos, poemas, músicas e livros são transmitidos pelo mentor espiritual, através da escrita. 
O mesmo acontece na psicopictoriografia (pintura mediúnica), onde os pintores espirituais revelam a vida em outra dimensão.
E não é preciso ser letrado ou ser artista para exercer este tipo de sensibilidade. 
Quem não conhece Chico Xavier ou o Gasparetto??

A Psicofonia é o mecanismo usado pelo mentor espiritual para passar informações ou transmitir ensinamentos ou até mesmo manter uma conversa, através da voz ou da palavra falada do médium/sensitivo, onde o chacra laríngeo é utilizado neste momento.

Também conhecida como incorporação. 


Cura, através do toque das mãos. É o dom de aliviar a dor, desacelerar uma doença, equilibrar a mente e fortalecer o espírito. Quem nunca ouviu falar no Dr. Fritz e em Zé Arigó ou João de Deus? 
Jesus curava com a mãos.








Esses são apenas quatro pequenos exemplos. A inspiração é outra prova deste mecanismo. Inspirado significa "em espírito". É quando ficamos surpresos por termos falado ou escrito algo mais claro ou mais bonito. Até duvidamos que sejamos capazes de tal proeza. Sim, somos capazes, basta estarmos em conexão com o nosso lado luz. 

Outro aspecto que devemos considerar é que há um mentor ou mestre espiritual que sempre acompanha cada ser encarnado, também chamado de anjo da guarda, por isso a oração é tão importante, pois é a abertura para que eles intercedam a nosso favor. 

Isso acontece, principalmente, em consulta com um oráculo. A intuição se desenvolve enormemente. Sou a prova disso, pois sempre fui muito racional. 

Acredito que a função de um oraculista, mais do que prever o futuro, é orientar, é levar luz para os conflitos das pessoas que chegam até ele e através do entendimento, proporcionar, não somente o autoconhecimento, mas PAZ, pois através da paz, o consulente vai poder fazer escolhas cada vez melhores para a sua vida. 

Outra função de um cartomante, que eu julgo importante, é resgatar a autoconfiança, a autoestima e a autovalorização dos seus consulentes, assim eles podem se auto-realizarem e se sentirem mais felizes.

E é possível o cartomante favorecer a conexão do consulente com o seu próprio espírito, podemos sugerir que ele frequente uma casa espiritual, onde ele se sinta bem e confortável. Podemos sugerir que, em sua rotina, ele faça tarefas simples que lhe dê alegria e prazer.

Tenho uma regra básica no meu trabalho como terapeuta e cartomante: cada pessoa que chega até mim tem que sair melhor do que entrou

Sejamos, então, um ponto de luz e multiplicadores de alegria, pois a paz e a doçura elevam a alma.