O manuel do Guerreiro da Luz - Por Paulo Coelho

Recentemente comprei o livro "O manual do Guerreiro da Luz" do Paulo Coelho, publicado pela Klick Editora em 1997. 

Algumas frases e atitudes do guerreiro de luz, citadas no livro, representam o significado das cartas ciganas. Confira e entregue-se em cada palavra.


Cata 01 - O cavaleiro
"Assim diz o Breviário da Cavalaria Medieval:
A energia espiritual do Caminho utiliza a justiça e a paciência para preparar teu espírito. 
Este é o Caminho do Cavaleiro: um caminho fácil e ao mesmo tempo difícil, porque obriga a deixar de lado as coisas inúteis, e as amizades relativas. Por isso, no começo, sente-se tanta hesitação em segui-lo.
Eis o primeiro ensinamento da Cavalaria: tu irás apagar o que até então tinhas escrito no caderno de tua vida: inquietação, insegurança, mentira. E irás escrever, no lugar disto tudo, a palava CORAGEM. Começando a jornada com esta palavra, e seguindo com a fé em Deus, chegarás aonde precisas".


Carta 02 - O trevo ou Carta 21 - A montanha
"O guerreiro da luz às vezes se comporta como água, e flui por entre os obstáculos que encontra. 
Em certos momentos, resistir significa ser destruído; então, ele se adapta às circunstâncias. Aceita, sem reclamar, que as pedras do caminho tracem seu rumo através das montanhas. 
Nisto reside a força da água: ela jamais pode ser quebrada por um martelo, ou ferida por uma faca. A mais poderosa espada do mundo é incapaz de deixar uma cicatriz em sua superfície.
A água de um rio adapta-se ao caminho que é possível, sem esquecer do seu objetivo: o mar. Frágil em sua nascente, aos poucos vai ganhando a força dos outros rios que encontra. 
E, a partir de determinado momento, seu poder é total".


Carta 06 - as nuvens
"1º: Deus é sacrifício. Sofra nesta vida, e será feliz na próxima. 
2º: quem se diverte é criança. Viva sob tensão. 
3º: os outros sabem o que é melhor para nós, porque têm mais
    experiência. 
4º: nossa obrigação é deixar os outros contentes. É preciso agradá-
    los, mesmo que isto signifique renúncias importantes.
5º: é preciso não beber da taça da felicidade, senão podemos gostar 
    - e nem sempre a teremos em nossas mãos. 
6º: é preciso aceitar todos os castigos. Somos culpados. 
7º: o medo é um alerta. Não vamos correr riscos. 
Estes são os mandamentos que nenhum guerreiro da luz pode obedecer. 


Carta 07 - a cobra
"O guerreiro da luz sabe: todo mundo tem medo de todo mundo. 
Este medo geralmente se manifesta de duas formas: através da agressividade, ou através da submissão. São faces do mesmo problema.
Por isso, quando está diante de alguém que lhe inspira temor, o guerreiro se lembra: o outro tem as mesmas inseguranças que ele. Passou por obstáculos parecidos, viveu os mesmos problemas. 
Mas está sabendo lidar melhor com a situação. Por quê? Porque ele utiliza o medo como motor, e não como um freio. 
Então o guerreiro aprende com o adversário, e age da mesma maneira. 


Carta 08 - O caixão
"o guerreiro da luz aprendeu que Deus usa a solidão, para ensinar a convivência. 
Usa a raiva, para mostrar o infinito valor da paz. 
Usa o tédio, para ressaltar a importância da aventura e do abandono. 
Deus usa o silêncio, para ensinar sobre a responsabilidade das palavras. 
Usa o cansaço, para que se possa compreender o valor do despertar. Usa a doença, para ressaltar a bênção da saúde. 
Deus usa o fogo para ensinar sobre a água. 
Usa a terra, para que se compreenda o valor do ar. 
Usa a morte, para mostrar a importância da vida. 


Carta 13 - A criança
"O guerreiro da luz comporta-se como uma criança. 
As pessoas ficam chocadas, esqueceram que uma criança precisa divertir-se, brincar, ser um pouco irreverente, fazer perguntas inconvenientes e imaturas, dizer tolices nas quais nem ela mesma acredita. 
E perguntam horrorizadas: "É isso o caminho espiritual? Ele não tem maturidade!".
O guerreiro orgulha-se do comentário. E mantém-se em contato com Deus, através de sua inocência e alegria, sem perder de vista sua missão."


Carta 15 - O urso
"O guerreiro da luz escuta comentários como: 'eu não quero falar certas coisas, porque as pessoas são invejosas'. 
Ao ouvir isso, o guerreiro ri. A inveja não pode causar nenhum dano - se não for aceita. A inveja faz parte da vida, e todos precisam aprender a lidar com ela. 
Entretanto, ele raramente fala dos seus planos. E às vezes as pessoas acham que tem medo da inveja. 
Mas ele sabe que, cada vez que fala de um sonho, usa pouco da energia deste sonho para se expressar. E, de tanto falar, corre o risco de gastar toda a energia necessária para agir. 
Um guerreiro da luz conhece o poder das palavras. 



Carta 16 - A estrela
"Um guerreiro sabe que seus melhores mestres são as pessoas com quem divide o campo de batalha. 
É perigoso pedir um conselho. É muito mais arriscado dar um conselho. Quando ele precisa de ajuda, procura ver como seus amigos resolvem - ou não resolvem - seus problemas. 
Se está em busca de inspiração lê nos lábios de seu vizinho as palavras que seu anjo da guarda quer lhe dizer. 
Quando está cansado ou solitário, não sonha com mulheres e homens distantes; procura quem está ao lado, e divide sua dor ou a sua necessidade de carinho - com prazer e sem culpa. 
Um guerreiro sabe que a estrela mais distante do Universo se manifesta nas coisas que estão a sua volta".

"O guerreiro da luz conhece a importância da intuição. 
No meio da batalha, não tem tempo par pensar os golpes do inimigo - então usa seu instinto, e obedece ao seu anjo. 
Nos tempos de paz, decifra os sinais que Deus lhe envia. 
As pessoas dizem: "está louco".
Ou então: "vive num mundo de fantasia".
Ou ainda: "como pode confiar em coisas que não têm lógica?".
Mas o guerreiro sabe que a intuição é o alfabeto de Deus, e continua escutando o vento e falando com as estrelas. 


Carta 17 - a cegonha
"Um guerreiro da luz sempre faz algo fora do comum. 
Pode dançar na rua enquanto caminha para o trabalho, olhar nos olhos de um desconhecido e falar de amor à primeira vista, defender uma ideia que pode ser ridícula. Os guerreiros da luz se permite tais dias. 
Ele não tem de chorar mágoas antigas, ou alegrar-se com novas descobertas. Quando sente que chegou a chora, larga tupo e parte para sua aventura tão sonhada. Quando entende que está no limite de sua resistência, sai do combate, sem culpar-se por ter feito uma ou duas loucuras inesperadas. 
Um guerreiro não passa seus dias tentando representar o papel que os outros escolheram para ele."


Carta 19 - A torre
"O guerreiro da luz medita. 
Senta-se em lugar tranquilo da sua tenda, e entrega-se à luz divina. Ao fazer isso, procura não pensar em nada; desliga-se da busca de prazeres, dos desafios e das revelações - e deixa que seus dons e seu poderes se manifestem. 
Mesmo que não os perceba na mesma hora estes dons e poderes estão tomando conta de sua vida, e vão influir no seu cotidiano. 
Enquanto medita, o guerreiro não é ele, mas uma centelha da alma do mundo. São estes momentos que lhe permitem entender sua responsabilidade, e agir de acordo com ela. 
Um guerreiro da luz sabe que - no silêncio do seu coração, existe uma ordem que o orienta".

"Escreva de novo o que já lhe disse: o guerreiro da luz precisa de tempo para si mesmo. E usa este tempo para o descanso, a contemplação, o contato com a Alma do Mundo. Mesmo no meio de um combate, ele consegue meditar. 
Em algumas ocasiões, o guerreiro senta-se, relaxa e deixa que tudo que está acontecendo ao seu redor continue acontecendo. Olha o mundo como se fosse um espectador, não tenta crescer nem diminuir - apenas entregar-se sem resistência ao movimento da vida. 
Aos poucos, tudo que parecia complicado começa a tornar-se simples. E o guerreiro se alegra". 


Carta 20 - O jardim
"As cordas que estão sempre tensas terminam desafinando. 
Os guerreiros que estão sempre treinando perdem a espontaneidade na luta. Os cavalos que sempre saltam obstáculos terminam quebrando a perna. Os arcos que são curvados todos os dias já não atiram suas flechas com a mesma força. 
Por isso, mesmo que não esteja disposto, o guerreiro da luz procura se divertir com as pequenas coisa do dia-a-dia". 


Carta 21 - A montanha
"Um grupo muito grande de pessoas está no meio da estrada, barrando o caminho que leva o Paraíso. 
O puritano pergunta: 'Por que os pecadores?'
o moralista berra: 'A prostituta quer fazer parte do banquete!'
Grita o guardião dos valores sociais: 'Como perdoar a mulher adúltera, se ela pecou?'
O penitente rasga suas roupas:'Por que curar um cego que só pensa em doença e nem sequer agradece?'
Esperneia o asceta: 'Tu deixas que a mulher derrame em teus cabelos um óleo caro! Por que não vendê-lo e comprar comida?'
Sorrindo, Jesus segura a porta aberta. E os guerreiros da luz entram, independente da gritaria histérica.


Carta 22 - o caminho
"No momento em que começa a andar, um guerreiro da luz reconhece o Caminho.
Cada pedra, cada curva, lhe dão boas-vindas. Ele identifica-se com as montanhas e riachos, vê um pouco de sua alma nas plantas, nos animais, e nas aves do campo. 
Então, aceitando a ajuda de Deus e dos Sinais de Deus, deixa que sua Lenda Pessoal o guie em direção à tarefas que a vida lhe reserva. 
Em certas noites não tem onde dormir, em outras sofre de insônia. "Isso faz parte", pensa o guerreiro. "Fui eu quem decidiu seguir por aqui". 
Nesta frase está todo o seu poder: ele escolheu a estrada por onde caminha agora, e não tem do que reclamar". 


Carta 36 - A cruz
"Às vezes, no meio de uma batalha que parece não ter fim, o guerreiro tem uma ideia e consegue vencer em matéria de segundos. 
Então pensa: 'Por que sofri tanto tempo, num combate que já podia ter sido resolvido com metade da energia que gastei'?
Na verdade, todo problema - depois de resolvido - parece muito simples. A grande vitória, que hoje parece fácil, foi o resultado de uma série de pequenas vitórias que passaram despercebidas. 
Então o guerreiro entende o que aconteceu, e dorme tranquilo. Ao invés de culpar-se pelo fato de haver demorado tanto tempo para chegar, alegra-se por saber que terminou chegando."


Nota de Tânia Durão: todos nós podemos nos tornar um guerreiro da luz em busca de serenidade e evolução. 
O caminho é sempre individual, pois cada um tem o seu próprio talento...ou dom para ser desenvolvido. Apenas manifeste-o. 
Cada centelha divina, que habita em nós, tem uma missão para cumprir nesta encarnação, através das situações vividas. Apenas aprenda. 
E cada alma tem uma lição para ensinar. Apenas sinta.