Carta 07 - A Cobra - Por Tânia Durão

A figura da Medusa mete medo em qualquer mortal. São tantas cobras em sua cabeça que impossibilita a aproximação de alguém. Além disso todos tem medo de olhar para a Medusa, pois correm o risco de se tornarem pedra. 

Ela destila veneno para todos os lados e com este comportamento ela consegue afastar os inimigos e, é claro, os amigos também.  


Cada cobra em sua cabeça se especializou num tipo de veneno: 

o veneno da mentira e da trapaça.

o veneno da fofoca, da crítica infundada e da maledicência. 

o veneno da briga desnecessária, da intriga e da maldade.
O veneno da adulação por interesses não revelados. 


Quanta traição na tentativa vã de atrapalhar a vida de alguém!! Quanta sabotagem em sua própria vida! quanta energia gasta para fazer mal a alguém, mas a única prejudicada é a própria Medusa. Coitada! Merece a minha compaixão.

Posso ver claramente o tamanho do seu medo e, por medo ou por excesso de defesa, ela se comporta destrutivamente. 

Posso sentir o cheiro do seu medo e compreendo quando seus olhos ficam vermelhos de raiva por não conseguir estragar a vida dos outros. 

Uma pessoa medusa é incapaz de se relacionar de forma positiva e tranquila.

Sempre digo que nem todas as cobras possuem veneno. No Brasil há duas espécies de cobras sem peçonha: a jibóia e a sucuri. O pior veneno que existe no ser humano é o MEDO, é a auto-sabotagem, é a falta de confiança em si mesmo, que inviabiliza a ação positiva. Este estado de insegurança constante gera um comportamento traiçoeiro. A propósito, o ataque sempre é a melhor defesa.

E você, como age quando sente medo? Está sempre na defensiva? O que faz quando se sente ameaçado? Qual é o seu maior medo? Procure identificar o seu comportamento gerado pelo medo.